livro-destaque
gratuito

Felicidade 2

Consumo, Mídia e Sociedade

Finalmente, chegamos a um mundo em que é possível consumir a felicidade, mas sem a consumar. É próprio dos humanos sermos insaciáveis, de modo que a consumação se nos torna impossível. A felicidade já foi vendida das mais diversas formas.

Finalmente, chegamos a um mundo em que é possível consumir a felicidade, mas sem a consumar. É próprio dos humanos sermos insaciáveis, de modo que a consumação se nos torna impossível. A felicidade já foi vendida das mais diversas formas. Antigos gregos diziam que a felicidade se alcança na ausência de necessidades e no bastar-se a si próprio. Cristãos acreditam que a felicidade só se encontra no paraíso. Capitalistas acreditam que a felicidade se mede pelo lucro, enquanto socialistas afirmam que a felicidade coletiva provém do sacrifício da individualidade. O mercado é mais modesto ao nos fazer crer que o consumo de algum produto ou serviço nos aproximará da felicidade, embora o próprio ato de consumir já seja, de algum modo, uma forma de felicidade. Diferentemente do que imaginavam os grandes e os pequenos pensadores, a humanidade não tem apreço pelo estoicismo das ideias abstratas, mas deseja sempre encher a barriga de boa comida, mesmo ao custo da morte de algum erudito. [...] E o sonho dos socialistas se realizou: esta é uma sociedade sem classe! Mas, também, sem estilo, sem destino, sem propósito. Um bom começo para os que foram enganados pelos propósitos dos outros. Está tudo na tela de cristal! A felicidade está em promoção: ela custa mais barato com aquele guru oriental, cujo site cobra poucos reais pelo segredo mais bem guardado. A felicidade está em promoção: ela custa mais barato na mão do contraventor que nos vende uma variedade de remédios controlados, para descontrolar nossa libido. A felicidade está em promoção: ela custa mais barato se votarmos naquele candidato que nos prometeu uma boca naquela instituição de fama ilibada. A felicidade está em promoção: ela custa mais barato com aquele camelô, cujo produto falsificado nem se distingue da marca de luxo, podendo provocar a legítima inveja da qual são feitos os contratos sociais. Este livro nos oferece uma visão, ao mesmo tempo sensível e metódica, dos mecanismos que vêm sendo utilizados para reciclar a ideia de felicidade neste universo em desencanto, que se tornou a sociedade pós-moderna ocidental. Sua leitura nos abre o entendimento de que é preciso investir não mais na esperança moderna, mas no ceticismo sadio de uma geração sem compromissos com grandes ideais.

 

Nossas publicações

Alternate Text
E-book
Ebook

Linguagem em (Dis)Curso

Ver livro
Alternate Text
E-book
Ebook

O Brasil vai às Urnas

Ver livro
Alternate Text
Smartbook

Corporalidade na literatura contemporânea em Flores, de Mario Bellatin

Ver livro

Ver Blogs

Alternate Text

Edital para seleção de artigos

Ver Noticias
Alternate Text

A mitologia como estratégia de branding

Ver Noticias
Alternate Text

Livro sobre arte e pensamento estético está disponível

Ver Noticias